Encontro Nacional 2006


 ENCONTRO NACIONAL 2006 – MIRANDA DO DOURO 

 

Cerca de 500 jovens foram até Miranda do Douro, durante os dias 3 e 4 de Junho, para participarem em mais um Encontro Nacional de Gira-Volei, organizado pela Federação Portuguesa de Voleibol (FPV), em colaboração com a Câmara Municipal de Miranda do Douro. Esta cidade transmontana recebeu assim muitas crianças a praticarem uma modalidade que até há muito pouco tempo naquela região ninguém praticava.

Os participantes (quer alunos, quer professores), na sua grande maioria, nunca tinham vindo a Miranda do Douro e ficaram completamente fascinados com a cidade, desde o Largo da Sé Catedral (onde decorreu a prova), às ruínas do Castelo, à vista fantástica que se tem sobre o Douro e às ruas quase sem trânsito onde o caminhar prevalece.

A prova decorreu no Largo da Sé, estendendo-se para baixo até às muralhas. Foram montados 24 campos em três pisos diferentes: relva, terra batida e paralelo. Apesar de alguma preocupação de alguns responsáveis pela forma de algumas crianças se poderem magoar, durante a competição isso praticamente não aconteceu. 

Foi assim uma prova cheia de boa disposição, que decorreu durante o fim-de-semana em Miranda do Douro, onde cerca de 500 jovens de todo o país, incluindo as ilhas dos Açores, conviveram de uma forma salutar.

No sábado à noite, tal como estava previsto, realizou-se uma festa-convívio, onde todos os participantes tiveram oportunidade de ver actuar ao vivo vários grupos de Pauliteiros, grupos característicos de Miranda do Douro.

No final, a entrega dos prémios foi feita num palco junto à muralha, o local ideal para distinguir todos os participantes da prova. Os atletas foram chamados ao palco pelo Prof. Leonel Salgueiro, elemento responsável pelo Gira-Volei na FPV; as medalhas para todos os participantes foram entregues pelo Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Miranda do Douro, Américo Tomé, sendo os Diplomas de Presença atribuídos pelo Técnico Superior de Desporto desta autarquia , o Prof. Francisco Parreira.

Neste encontro, o destaque vai a Escola Evaristo Nogueira e a Escola Latino Coelho, com dois títulos de campeão nacional, e o Agrupamento de Escolas de Cerveira, que conquistou o primeiro título de campeão nacional, sendo também o primeiro da Associação de Voleibol de Viana do Castelo.

Tal como em anos anteriores conseguiu-se que estes dois dias fossem uma festa em que o convívio e a alegria superassem todos os aspectos da competição. A competição foi muito elevada, tendo em conta que o nível dos atletas está cada vez mais forte, mas sempre com muito "Fair-Play".

O nosso muito obrigado a todos os que fizeram com que este evento fosse a verdadeira festa do Voleibol.

 

 ENTREVISTAS 

 RESPONSÁVEIS PELOS CENTROS GIRA-VOLEI 

 

Maria de Belém – Centro de Formação da Ribeirinha

O que é que pensa deste evento?
É a segunda vez que eu e o meu centro participamos, já que estivemos o ano passado em Oeiras, mas este local é muito agradável. Eu nunca cá tinha vindo nem nenhuma criança, e é por isso que penso que o Gira-Volei é fantástico, principalmente por dar oportunidade às crianças de conhecerem outras zonas do país… e se forem muito bonitas como esta, ainda melhor.

Como está a correr a competição?
Sem problemas, pois penso que os miúdos, para além da competição, estão sobretudo a divertir-se e a conviver com outros jovens e isso é muito bom.

 

Gonçalo Gomes – Centro de Gira-Volei da Câmara Municipal de Grândola

O que acha desta competição?
Acho que está a ser muito bem organizada e que o espaço é muito agradável. Em termos de dinâmica de jogo penso que é bastante boa, não há paragem entre os encontros, está tudo a correr de uma forma agradável e considero que é bom para os miúdos porque há um intercâmbio muito grande a nível de crianças de todo o país, já que nós viemos do Alentejo, e há gente do Algarve, de Lisboa, do Norte do país, e das ilhas (Açores). Isto é excelente pois contribui muito para o desenvolvimento do Voleibol.

Pensa que esta descentralização é boa para o Gira-Volei?
Acho bem que a Federação Portuguesa de Voleibol descentralize os espaços das Fases Finais, já que as outras três onde participei foram em Lisboa, agora fizemos uma viagem bastante mais longe mas vale a pena, pois não conhecíamos este local e estou a gostar bastante. E isto leva as populações de várias zonas do país a conhecerem uma modalidade que é um espectáculo. Isto também é muito bom porque não leva a uma centralização do Voleibol só às capitais.

O que pensa de Miranda Do Douro?
Gosto bastante, é um sitio bastante agradável, vê-se que é uma cidade bastante antiga e histórica, com muitos monumentos.
Como se estão a portar os jovens de Grândola neste Encontro Nacional?
Eu só cá tenho uma dupla, mas acho que eles estão a portar-se muito bem, dentro das possibilidades, pois, como sabe, no Alentejo o Voleibol não é muito desenvolvido, mas a nível de resultados tudo o que vier é bom.

 

Luís Ribeiro – ACARF – Forjães (Esposende)

Que pensa desta prova?
Estou a achar bastante engraçado, o espaço é diferente, e isto prova que o Gira-Vólei pode ser jogado em qualquer lado, até no meio da rua. Os miúdos estão também a adorar esta iniciativa; no fundo é bastante divertido.
Já tinha vindo a Miranda do Douro?
Não. Nós chegámos há pouco, mas dá para ver que se trata de uma terra bastante bonita. Estamos a gostar muito e estamos a aperceber-nos de que é um sitio que será muito interessante de se visitar.

A competição está a correr bem para os seus alunos?
Bem, a alegria dos mais pequenos era vir passar um fim-de-semana diferente numa terra que não conheciam, pois eles gostam de jogar Gira-Volei e até já venceram alguns jogos, mas no fundo o que eles querem sobretudo é conhecer outros miúdos da idade deles e fazer amigos. Os mais velhos já se preocupam um pouco mais, já levam esta competição um pouco mais a sério.

 

Mariana Marques – Centro da Câmara Municipal de Miranda do Douro

É a primeira vez que vem a um evento deste género?
É verdade. Penso que estas iniciativas são muito giras para os miúdos, para o convívio entre eles, está a correr muito bem e sempre apoiei a cem por cento a vinda do Gira-Volei para Miranda.

O que pensa da descentralização do Gira-Volei?
Acho isso óptimo, até para as crianças conhecerem outros miúdos de todas as zonas do país. Assim, toda a gente pode participar e penso que é algo muito louvável da parte da Federação Portuguesa de Voleibol.

E como se sente ao receber tanta gente de todo o lado do País?
Muito bem, pois a maior parte das pessoas que estão cá durante este fim-de-semana não conhecia Miranda do Douro, e ficaram a conhecer uma cidade muito bonita. Mesmo a nível de ambiente penso que se trata de uma localidade fantástica.

Pretendem continuar com o Gira-Volei aqui em Miranda?
Sim, claro o Gira-Volei é uma modalidade que vai ficar para sempre, pois os miúdos interessaram-se muito pelo Gira-Volei e querem subir de nível há medida que vão crescendo. Também temos muitas crianças que ainda não têm idade para jogar e mostram muita vontade de praticar, por isso tenho a certeza que o Gira-Volei veio para ficar.

 

 ATLETAS 

 

Mário Carvalho – Centro de Gira-Volei da Escola Sequeira da Guarda

A vossa equipa é muito forte?
Bem, penso que damos o máximo em qualquer competição em que entramos. Também treinamos muito durante o ano para chegarmos aqui em boa forma.

 

Cristiana Costa e Marisa Ramalho – Centro da Câmara Municipal de Resende

O que estão a achar deste encontro?
Acho bastante divertido, gosto bastante de andar aqui, conhecer novas pessoas, é diferente, gosto muito de jogar Voleibol e isto é uma forma de fugir à rotina e está a correr muito bem.

É a primeira vez que vocês vêm a um Encontro Nacional?
Não. É quarta vez que participamos em Fases finais de Gira-Vólei, por isso, pode ver o quanto gostamos disto.

Que pensam de Miranda do Douro?
É muito bonito, gosto muito. É muito diferente da nossa terra, mas parece-me espectacular. Acho muito bem que a Federação Portuguesa de Voleibol descentralize as várias cidades onde se realiza o Encontro Nacional do Gira-Volei, pois assim também é uma forma de conhecermos outras cidades.

Como está a correr a vossa prova?
Muito bem, até agora ganhámos os jogos todos, portanto, melhor não poderia estar a correr.

 

João Esteves – Centro de Escola E/B 2,3 Melgaço

O que pensas deste encontro?
É muito fixe, estamos a divertir-nos bastante e a competição está a decorrer bem, já que ganhámos alguns jogos.
Já tinhas vindo alguma vez a Miranda do Douro?
Não, mas acho que é uma terra bastante bonita e com muito para ser visitado.

 

André Alves – Centro dos Amigos de Voleibol de Portimão

O que pensas desta competição?
Penso que está muito bem organizada e também dá para conhecer muita gente, o que é muito positivo. Só e pena é o vento que se faz sentir, mas como o Gira-Volei é uma prova ao ar livre esse é um risco que temos de correr. Também gosto dos vários pisos onde esta prova está a ser efectuada: a relva, a terra batida e o paralelo.

Já tinhas vindo alguma vez a Miranda?
Nunca. Penso que é uma terra bastante bonita e até já demos umas voltas e gostámos imenso. O único problema foi a viagem de Portimão até aqui, pois demorámos cerca de 12 horas.

Está a correr bem a competição?
Sim está, perdemos quase todos os jogos, só ganhámos um, mas estamos aqui sobretudo para nos divertirmos.

 

Daniela e Inês – Centro da Câmara Municipal de Arganil

O que pensam deste encontro Gira-Volei?
Muito bom, estamos a divertirmo-nos bastante. Há muitas crianças aqui e isto é uma boa forma de conhecermos outras pessoas.

Já alguma vez vieram a Miranda do Douro?
Não, mas é uma cidade bastante gira e com muitas coisas para ver.

 

Américo Tomé – Vereador do Desporto

Como é ver tanta actividade desportiva aqui em Miranda do Douro?
É sempre um sentimento bonito, porque, realmente, numa cidade e num concelho onde as crianças não abundam, ter tanta juventude com estas idades a praticar um desporto que ainda por cima não está muito implementado aqui no nosso concelho é sempre bom e penso que é do agrado de todas as pessoas que por aqui passaram.

Quase todas as pessoas com quem falámos nunca tinham vindo a Miranda do Douro e gostaram muito. Pensa que o Gira-Volei é uma boa forma de mostrar e promover a cidade?
Sem falsa modéstia, penso que Miranda do Douro é uma cidade bastante bonita, procuramos realmente conservar todos os monumentos, e por outro lado temos aqui um concelho com um turismo bastante forte ao longo de todo o ano, sobretudo com uma visita bastante acentuada de espanhóis, que aos fins-de-semana visitam muito esta região.

Então, vão continuar a apostar no Gira-Volei?
Sim, vamos apostar porque quando principiámos com um centro se calhar toda a gente pensava que era uma coisa para durar dois ou três anos e depois caía no esquecimento, como acontece com quase todos os desportos à excepção do Futebol. O que foi surpreendente foi a quantidade de novas crianças que aderiram a este projecto e que não o deixaram morrer. Actualmente, temos cerca de duzentos jovens.

 

Francisco Parreira – Responsável pelo Gira-Volei em Miranda do Douro

Como é que viu uma fase Final de Gira-Volei em Miranda do Douro?
Acho que foi um projecto com tudo para andar para a frente. As duas pessoas dentro da Federação Portuguesa de Voleibol que estão a encabeçá-lo (Leonel Salgueiro e Hugo Silva) são gente com muita vontade e com muitas capacidades para levar este projecto bastante longe. Aqui, no distrito de Bragança ainda há poucas pessoas que aderiram ao Gira-Volei, mas estou em crer que no futuro haverá mais centros e câmaras a aderir a este projecto. Relativamente a Miranda do Douro, isto só veio enriquecer o nosso concelho, já que se privilegiava sobretudo o Futebol, mas o Voleibol e o Gira-Volei estão a entrar muito bem e vamos para o ano tentar duplicar o número de praticantes.

O que é que este encontro trouxe de novo a Miranda do Douro?
As pessoas de uma forma geral não conhecem esta cidade, pensam que é uma região bastante atrasada, não têm a ideia de que estamos aqui mesmo junto a Espanha. Em relação a este evento, penso que é bastante importante para Miranda do Douro, pois trouxemos cá pessoas para verem o que de facto esta cidade é e de uma forma geral elas ficam maravilhadas com a região.

Em relação à competição, correu tudo bem?
Sim, correu tudo dentro do normal. Eu, no princípio tinha alguns receios em relação ao desenrolar desta prova, mas penso que decorreu de uma forma fantástica.

 

RESULTADOS